Preocupação com saúde e bem-estar faz consumidor buscar mais bebidas funcionais 📸 © Bicanski/Pixnio/Creative Commons

Nos quase dois anos convivendo com a covid-19, o brasileiro mudou sua forma de trabalhar, e o home office ganhou muitos adeptos. Também mudou sua forma de comprar e cada vez mais itens da lista passaram a ser comprados pela internet, até mesmo mercado. Mas os impactos se estenderam, também, à mesa.

🗂 Especialistas apontam propriedades terapêuticas em brinquedo sensação do momento

🗂 Erros de higiene na cozinha colocam a saúde em risco, aponta pesquisa

“Essa tendência por produtos mais funcionais vinha acontecendo, mas foi intensificada pelo cenário da covid, principalmente a busca por alimentos de imunidade”, diz Vivian Leite, diretora de marketing da Tetra Pak.

🗂 Seca e dólar puxam alta no valor do café, o maior preço em 25 anos para o brasileiro

🗂 Ansioso para os feriadões de 2022? Veja o calendário. Comércio estima prejuízo menor

Segundo Vivian, quando se trata de bebidas funcionais, o grande destaque é o suco, com 50% das respostas. Em seguida, aparecem os produtos lácteos fermentados com 37% das preferências e as bebidas lácteas com alto valor de proteína, vitaminas e/ou cálcio, com 31%.

Para os respondentes da pesquisa, o produto ideal para aumentar a imunidade deve ser: enriquecido com vitaminas, frutas cítricas, mel, zinco, fibras; livre de ingredientes artificiais; e causar sensação de energia.

“O consumidor já tem uma noção boa do que pode trazer mais imunidade”, diz Vivian.

Ela destaca, no entanto, que o maior desafio é conseguir transmitir essas informações no rótulo do produto, cuja clareza foi um dos pontos citados como essenciais em um produto ideal.

A Tetra Pak não divulga resultados no Brasil. Em 2020, a operação global faturou 10,8 bilhões de euros. Os números de 2021 ainda não foram publicados pela companhia.

De acordo com Vivian, em 2021 a operação brasileira (segunda maior do grupo, atrás apenas da China) registrou recuperação de algumas categorias, vendendo mais embalagens para sucos e água de coco, que foram produtos muito afetados durante 2020. Leites, que tinham crescido fortemente durante o primeiro ano da pandemia, agora têm leve retração.

“Começamos a ver alguma queda, muito ligada à questão de preços, que subiram.”

📸 © Pxhere/Creative Commons

Rádio Centro Cajazeiras via Valor Econômico

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Participe de nossa Programação!