Hospital paraibano realiza primeira cirurgia por vídeo em menina de 13 anos 📸 © Secom/Gov. PB

O Complexo Pediátrico Arlinda Marques, em João Pessoa, realizou a primeira cirurgia por videolaparoscopia. A inovação em tecnologia de ponta realizada pelo Governo do Estado representa um investimento na ordem de R$ 345 mil na aquisição do equipamento. O procedimento, além de menos invasivo aos pacientes, garante uma redução de tempo no pós-operatório e na ocupação de leitos da unidade de saúde.

A primeira cirurgia realizada ocorreu para a retirada de colecistite (retirada de vesícula) de uma criança de 13 anos do sexo feminino. A paciente já teve alta, no entanto, se fosse no método tradicional, ela ficaria em média uma semana internada e teria um pós-operatório com mais dor. Com a introdução da tecnologia, o Arlinda Marques terá condições de realizar procedimentos diariamente, de acordo com os agendamentos ambulatoriais e demandas de urgência do pronto-socorro referência no estado para doenças cirúrgicas da criança. 

O diretor administrativo do Complexo Pediátrico Arlinda Marques, José Honório da Silva Melo, explicou que o procedimento, além de ter sido realizado com sucesso, garante o acesso da população à tecnologia de ponta num hospital público. “A avaliação é de uma grandiosidade. O investimento é alto e muito salutar para o Arlinda, porque esse tipo de cirurgia se encontra em hospitais particulares, então hoje o Sistema Único de Saúde (SUS) proporciona a massa pediátrica contemplando com esse tipo de cirurgia”, ressaltou.   

A videolaparoscopia é uma cirurgia padrão no tratamento de afecções cirúrgicas do tórax e abdômen, em especial, em cirurgia digestiva, urológica, oncológica e torácica, conforme explicou José Honório da Silva Melo. O procedimento poderá ser adotado no Complexo Pediátrico Arlinda Marques tanto em cirurgias eletivas quanto nas de urgência. À frente da inovação estão os cirurgiões do Complexo Pediátrico Arlinda Marques: Daniel Rangel, Tayane Cruz, Vinícius Marinho e Henrique Silveira. 

Menos invasiva  

A tecnologia adotada no Arlinda Marques chega trazendo alta capacidade de resolutividade em menor tempo e com um processo menos invasivo. Na prática, para os pacientes isso resultará, além do tempo e redução das dores no pós-operatório, esteticamente as marcas do procedimento serão mínimas. “A cirurgia por vídeo é menos invasiva, pois são três pontinhos e a estética para o paciente é outra. A facilidade de recuperação é melhor. A cirurgia de vídeo veio para inovar”, enfatizou José Honório.

📸 © Secom/Gov. PB

Rádio Centro Cajazeiras

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Participe de nossa Programação!